quarta-feira, novembro 09, 2005

Pela sua súde... coma Alho

São vastos os estudos científicos que demonstram e comprovam a eficácia do alho como remédio". Segundo eles, o alho contém as seguintes propriedades salutares:
-reduz o colestrol;
-baixa a tensão arterial;
-reforça o sistema imúnitário;
reduz os triglicéridos (gordura sanguínea);
-previne constipações e infecções.
Porém, este "remédio miraculoso", como todos os outros, tem os seus efeitos secundários:
-um forte odor e um hálito intenso a alho, devido ao aminoácido alina, que ao ser decomposto pela enzima alinase, produz o componente activo alicina (responsável pelo intenso odor e detentor das propriedades salutares).
Porém, estes são efeitos secundários míninos e até já há no mercado suplementos à base de alho com esses efeitos bastantes atenuados reduzidos.
Como vê a sua saúde está mesmo à mão....AGARRE-A!

5 Comments:

Anonymous Desambientado said...

Actualmente existe no mercado cápsulas de óleo de alho, que reduz drasticamente os efeitos desagradaveis do mau hálito.
Ainda há quem consuma um dente de alho pela manhã, porque acredita que cria defesas ao organismo para as agressões a que estão sujeitos durante o dia.
Mas será que o alho, produzido intensivamente, com adubos, tem as mesmas propriedades que o produzido biológicamente?

10:54 da manhã  
Blogger Cristina Mendonça said...

Conhecia um senhor de oitenta e tal anos que era um amante da boa cozinha terceirense e sempre que terminava uma grande jantarada pedia uma "denta de alho" para "arrebater". Segundo ele não havia melhor! É com saudade que o recordo!...
Quanto aos alhos serem intensivamente adubados, é uma realidade na sociedade consumista actual. Mas não é isto que acontece um pouco com tudo? Não eram muito mais saborosas e nutritivas as sopas feitas no lume de lenha; o pão cozido nos fornos; tradicionais; os produtos hortícolas dos quintais? Certamente, mas temos que pagar algum preço pela nossa emancipação e evolução. Será este preço justo? Não o sei!
Mas será que realmente vale a pena apostar-se na qualidade em vez da quantidade? Vejamos o caso da carne e leite açoriano, que de acordo com alguns estudos é de qualidade superior e o leite possui propriedades que se acreditam ser anticancerígenas. E daí? Há maior consumo por isso? Pagam mais por isso?
Como diz o poeta, "tudo vale a pena quando a alma não é pequena".

11:12 da tarde  
Anonymous Cidália said...

Boa Cristina.
Falta agora a salsa, a malva....
Também podes falar daquelas ervinhas que aí na Feteira, o Ti Luís Tenrinho usa para o mau olhado (adoraria saber essas coisas !!!!)
Cidália

1:05 da manhã  
Blogger Cristina Mendonça said...

Sabias que tens no nome a primeira espécie que eu introduzi no meu jardim? As dálias!
Eu cresci a ouvir que as pessoas do Porto Judeu são muito crentes nessas coisas esotéricas, tal como os Brasileiros. Tu és fruto dessa mistura, provavelmente, daí o teu interesse...
Eu, infelizmente, não sou do Porto Judeu (freguesia soalheira e a um passo do mar)e duplamente infeliz de não ser brasileira (pois dava-me jeito aquele jogo de cintura ´pró samba...), mas também me interesso por essas histórias em que contam que certas ervas/plantas afastam ou contrubuem para algo. Se calhar o responsável é o meu pai, pois ele contava-nos umas histórias fantásticas quando nós éramos pequenos (eu e os manos), naquelas noites invernosas, em que a falta de luz era uma constante...
Bem, ele não contava coisas do outro mundo, eram apenas contos de animais, sobretudo fábulas, mas acho que despertou o meu interesse pelos contos, pelas histórias. Que momentos bem passados!!!
Ui, já divaguei muito a partir do tema central...
Sabes, já ouvi histórias de "mezinhas" que me deixeiram fascinadas, outras aterrorizadas.
Certa vez, fruto de um oportunoo acaso, conversei com alguém que é entendido na matéria (não o "ti" Luís porque nem o conheci)e ele disse-me que o que mais inibe e aterroriza as pessoas é o MEDO.
Às vezes acho que o entendo,outras nem tanto, mas também acho que não era para entender tudo de uma vez...
E, finalmente, este blogg decerto irá fazer referência a esse assunto e já agora fica a "porta aberta" para quem quiser contribuir com os seus conhecimentos.
ciao.

11:36 da tarde  
Blogger antropobotanica said...

Estou actualmente a fazer uma investigação de etnobotânica no continente mais propriamente na região transmontana e fiquei com curiosidade de saber mais coisas sobre a variedade etnobotânica açoreana.
Os nomes das espécies varia de região para região e aí não deve ser diferente mas atrevo-me a falar de algumas que li em comentários anteriores e que através dos meus informantes conheci os seus usos, como: a arruda, usada para afastar o mau olhado, colocada à entrada da porta de casa, alguns creem que tem de ser do lado direito outros é indiferente, trazer umas galhinhas no bolso também é utilizado na região; a malva é uma das plantas muito utilizadas também, há quem use em chá afirmando que são boas para ajudar a cicatrização interior, e há quem coza a planta e depois use a água da cozedura no fim de fria para lavar feridas pois desinfecta e acelera a cicatrização.
Bem já me estou a alargar e não vou ocupar mais tempo de antena mas gostava que este blog tivesse mais informação sobre a região Açoreana visto ser originário de lá pelo que percebi.

12:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home